sexta-feira, 26 de abril de 2019

OS SETE MARIDOS DE EVELYN HUGO


Resenha por Mara Carvalho


Título: Os sete maridos de Evelyn Hugo
Autora: Taylor Jenkins Reid
Editora: Tag  - Experiências Literárias em parceria com editora Paralela
Ano de publicação: 2019
Páginas: 411

Apreciação: 5/5

Resenha:

Evelyn Hugo, uma lenda do cinema, perto dos oitenta anos de idade decide contar ao mundo sua verdadeira história. Através de Monique Grant, uma desconhecida jornalista, Evelyn quer tornar público seus segredos.

Uma atriz famosa nas décadas de 50 e 60 e mundialmente conhecida retira o véu da beleza, do glamour, da falsa realidade de vida de Hollywood e mostra o que há por trás dos bastidores.

Os sete casamentos, os sete maridos. Um livro cheio de surpresas, amores, intrigas e traições, além de um mistério, por que uma jornalista escolhida ao acaso para trazer ao mundo a história de uma atriz tão famosa?

O livro é uma edição especial da “Tag inédito – experiências literárias” em parceria com a Editora Paralela. Taylor Jenkins Reid, autora do livro é americana e seus livros estão entre os mais vendidos.

A leitura é fácil e envolvente e o livro é maravilhoso!!!  O modo como a autora descreve os sentimentos de Evelyn é fantástico! É um livro que prendo o leitor do início ao fim e a gente sofre com o sofrimento dela e fica feliz com a felicidade dela, é muito especial!!!!

É um livro que vale a pena!

Boa leitura!!







terça-feira, 9 de abril de 2019

A ESPIÃ


Resenha por João de Carvalho


Título: A Espiã
Autor: Paulo Coelho
Editora: Schwarcz S.A.
Ano de publicação: 2016
Páginas: 180

Apreciação: 5/5

Resenha:

Paulo Coelho é um escritor de categoria nacional e internacional. No Brasil pertence à Academia Brasileira de Letras, desde 2002, sabendo-se que em 2007 tornou-se mensageiro da paz das Nações Unidas. Seus livros invadiram o mundo, e foram vendidos 210 milhões de exemplares. Sabemos também que o seu clássico “O Alquimista” é o livro brasileiro mais vendido de todos os tempos, dizem os comentaristas de suas obras. Nascido em 1947, no Rio de Janeiro, foi, antes de dedicar-se à literatura, diretor de teatro, dramaturgo, compositor e jornalista. Atualmente, mais de 170 países conhecem alguma de suas obras, já vertidas para 81 idiomas.

É, na verdade, um grande fenômeno internacional. Eu faço parte, como leitor, daqueles que o admiram e gosto de comentar suas obras. Mas, há dois destaques que entendo oportuno registrar, na sua brilhante vida literária, honrando positivamente o Brasil, quando conquistou estes dois prêmios: “O Crystal Award (do Fórum Econômico Mundial) e o título de Cavaleiro da Ordem Nacional da Legião de Honra”.

Hoje, destaco seu mais recente livro intitulado “A Espiã”, com uma atraente capa. Assunto baseado em fatos reais. É um romance. “A personagem Mata Hari (Margaretha Zelle), famosa bailarina exótica, conhecida em toda a Europa, fora acusada e condenada por crime de espionagem. Embora tenha alegado inocência até o último momento, o tribunal não lhe deu ouvido. Até mesmo o homem que a amou testemunhou contra ela. Mas, há ainda uma esperança, uma única esperança.” Qual?  Por quê?  Quando?

O fato é que, neste livro, Paulo Coelho, com grande habilidade, com uma narrativa envolvente, profunda, reconstitui a história desta admirável mulher. Li e gostei. Acredito que ele consegue, nestas páginas, segurar o leitor até o fim, mostrando a personagem bonita, atraente, atual e sempre histórico-descritiva. A imagem da mulher ganha valor, admiração pela sua carismática atuação no romance “A Espiã”.

 Aconselho a Leitura. Vale a pena!


terça-feira, 2 de abril de 2019

O ESPETÁCULO DA CORRUPÇÃO


Resenha por João de Carvalho


Título: O Espetáculo da Corrupção
Autor: Walfrido Warde
Editora: Leya
Ano de publicação:  2018
Páginas: 137

Apreciação: 4/5

Resenha:
Walfrido Warde, escritor deste livro, é reconhecido advogado especializado em litígios empresariais, autor de outros livros. É presidente do IRRE (Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresas). Há um esclarecedor capítulo sobre a Máfia, em vários países.

Em “O Espetáculo da Corrupção, ele combina tanto a análise dos efeitos devastadores de um sistema corrupto quanto a crítica ao modo como temos lutado contra a roubalheira. Para combater a corrupção, segundo o autor, destruímos o capitalismo, demonizamos a política, expomos nossas leis ao ridículo e levamos as instituições a um descrédito que flerta com o irreversível.

O autor critica um sistema que acaba unindo policiais, auditores, promotores, juízes e outros membros da burocracia de controle estatal envolvidos no combate à corrupção. Denuncia a falta de planejamento, a espetacularização e o moralismo que, segundo ele, tem sido regra nas ações anticorrupção – como a Operação Lava Jato.

Assim como o câncer, a corrupção é um mal devastador. Transforma o Estado e suas funções em produtos postos à venda no mercado. Contamina os três poderes, prejudica o desenvolvimento, aprofunda a desigualdade e afronta a dignidade das pessoas e do País. Mas enfrentar esse mal exige soluções capazes de evitar os efeitos colaterais do sistema criado para combatê-lo: a demonização da política, a destruição das empresas, a espetacularização e a desmoralização das instituições.

O autor defende que a punição se concentre nos administradores corruptos, preservando as empresas e os empregos. Para ele, um combate adequado tem de atacar as causas. E as causas, afirma, resumem-se em grande medida à falta de regulação adequada do lobby, determinante para a infiltração do crime organizado nas estruturas do Estado”.

Em suma, a corrupção, como um câncer, é como o desmoronamento de uma barragem da Vale, acaba com tudo que alcança e contamina os três poderes, prejudica a todos e a tudo.

É uma Leitura interessante.